“Financeiramente, estas instituições precisam de meios. Têm custos muito elevados. Só com o trabalho os custos significam 70% das despesas e os trabalhadores não são um problema, são uma solução”, afirmou o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (CNIS).

“Há a questão dos voluntários, precisamos de equipamentos de proteção individual e precisamos de facto que a comunidade não se desligue. Muitos vivem à volta destas instituições. Se isto colapsar, e não vai colapsar, então estaremos todos mal”, disse o padre Lino Maia.

O dirigente falava aos jornalistas no final de um encontro que hoje decorreu no Palácio de Belém, em Lisboa, e que se seguiu a uma reunião por videoconferência com o presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos, ambas para fazer um ponto da situação face à resposta do setor social no âmbito do combate à epidemia de covid-19.

Aos jornalistas, Manuel Lemos repetiu cinco vezes “ninguém está preparado para este embate”, uma ideia na qual é acompanhado por Lino Maia, que sublinhou a necessidade de meios humanos, deixando um apelo ao voluntariado e de proteção individual dos trabalhadores, pedindo equipamentos que protejam um universo de um milhão de pessoas no que diz respeito aos lares – 200 mil trabalhadores e 800 mil utentes.

O presidente da CNIS considera os testes importantes, mas põe a tónica nos equipamentos de proteção individual, necessários para proteger os trabalhadores de uma atividade de “contacto muito humano”, muito próximo de pessoa a pessoa.

E pede ao Estado que não esqueça o setor, nomeadamente compensando o aumento de custos: “O Estado não pode pensar que estas instituições fazem tudo e o Estado lava as mãos”.

O reforço de 59,2 milhões de euros para o setor social recentemente anunciado representa uma atualização de 3,5% dos contratos com as instituições de solidariedade social, que não chega para cobrir o aumento com os custos do trabalho, nomeadamente o aumento do salário mínimo nacional, que representa um acréscimo de 5,83% nas despesas, referiu.

“Não é com 3,5% de atualização nos acordos que enfrentamos a situação, a crise, 3,5% não é de modo nenhum suficiente. Podem neste momento ser uma espécie de injeção, mas é preciso, de facto, olhar para este setor”, defendeu.

Segundo Lino Maia, “há 40% de instituições que chegam ao fim do ano com resultados negativos”.

“Estas instituições não podem colapsar. Os 59 milhões de euros como uma injeção neste momento são oportunos, não solucionam. O meu medo é que se pense que injetando agora isto está tudo resolvido. Não está”, alertou.

Quanto à situação nos lares tutelados pelas misericórdias, estão a ser tomadas medidas de salvaguarda, como a garantia de um substituto por trabalhador em caso de necessidade, possível “na esmagadora maioria das misericórdias”, e uma rotação de equipas de 14 em 14 dias, cumprindo o tempo da quarentena, disse por seu lado Manuel Lemos.

Nos lares está ainda a ser criado um quarto à entrada para que os trabalhadores externos possam ali mudar de roupa à chegada e à saída, evitando contaminações.

Manuel Lemos sublinhou, no entanto, que os planos de contingência são mais fáceis de cumprir em locais onde não há problemas de recursos humanos.

Já a CNIS criou equipas de acompanhamento dos lares em cada distrito e garante que idosos e crianças não serão abandonados.

“Os idosos continuam a ser apoiados, podem ter a certeza de que não serão abandonados e é importante também que a sociedade não os abandone. As nossas crianças vão continuar a ter apoio nas instituições, os nossos trabalhadores vão continuar a vestir a camisola. Podemos ter, de facto, confiança. Não há mal que sempre dure”, considerou Lino Maia.

Ainda assim, o setor social está já a pensar na crise social que se vai seguir à crise sanitária e a pensar num “plano de emergência” que lhe dê resposta, antecipando problemas como o desemprego.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

Dos infetados, 276 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.