“Vamos suspender as quantias destinadas à OMS”, começou por dizer Donald Trump, na ronda de imprensa diária com os jornalistas na Casa Branca.

Uns minutos mais tarde, recuou, afirmando que está apenas a estudar essa hipótese: “Não estou a dizer que o vamos fazer [deixar de contribuir para a OMS], mas vamos analisar essa possibilidade”, precisou.

Na opinião de Trump, a OMS “devia ter percebido e provavelmente percebeu” o que ia acontecer com a pandemia de covid-19, que já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil. Os Estados Unidos, com 12.021 mortos, são o que contabiliza mais infetados (382.256).

Além disso, Trump considera que a OMS tem sido “muito favorável à China, o que não é aceitável”.

Antes da conferência de imprensa, Trump escreveu, na rede social Twitter, uma mensagem particularmente agressiva contra a OMS, dizendo que a organização “realmente estragou tudo”.

Recordando que a OMS é “largamente financiada pelos Estados Unidos”, tem-se mostrado, “apesar disso, muito centrada na China”. E questionou: “Felizmente, rejeitei o conselho de manter as fronteiras abertas à China logo de início. Mas por que razão nos deram um conselho tão errado?”.

Recorde-se que Donald Trump tem sido muito criticado pela inação inicial à propagação do novo coronavírus, que surgiu na China, em dezembro, e se espalhou por todo o mundo, levando a OMS a declarar uma situação de pandemia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Os Estados Unidos registaram esta terça-feira 1.939 mortes causadas pela covid-19 em 24 horas, o pior recorde mundial diário, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

O número total de mortes desde o início do surto nos Estados Unidos é agora de mais de 12.700.

Os Estados Unidos também são, de longe, o país do mundo com o maior número de casos confirmados: cerca de 396.000 pessoas infetadas no país, de acordo com a universidade norte-americana, que atualiza continuamente os dados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.