De acordo com a agência Reuters, citando o jornal norte-americano Star Tribune, o Procurador-Geral Keith Ellison vai elevar a acusação sobre Derek Chauvin de homicídio em terceiro grau para segundo grau, de acordo com a lei do estado do Minnesota.

Detido na passada sexta-feira, Chauvin, de 44 anos, foi despedido e inicialmente acusado de homicídio em terceiro grau e homicídio involuntário em segundo grau. Com a passagem do homícidio de terceiro para segundo grau, o agente pode agora enfrentar uma pena de 40 anos de prisão (na anterior acusação, a pena máxima eram 25 anos).

O agente do Departamento de Polícia de Minneapolis está acusado da morte de George Floyd, de 46 anos, cidadão afro-americano que deteve. As imagens de vídeo captadas no momento da detenção demonstram que Chauvin pressionou o seu joelho no pescoço da vítima durante vários minutos, mesmo depois de ela ter parado de se mexer, levando à sua morte por asfixia.

A morte de Floyd ocorreu durante a sua detenção por suspeita de ter usado uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) numa loja.

Outra novidade no processo é que, por ordem de Keith Ellison, os três outros oficiais envolvidos no caso enfrentam agora acusações de cumplicidade no homicídio de Floyd. Até agora, Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao tinham sido despedidos, mas não acusados.

A família de George Floyd e os milhares de manifestantes que continuam a protestar contra a morte do afro-americano têm repetidamente exigido acusações contra os quatro agentes policiais.

Para além destas medidas legais, o estado do Minnesota apresentou ontem uma queixa em matéria de direitos humanos contra o Departamento da Polícia de Minneapolis. A apresentação da queixa foi hoje anunciada pelo governador, Tim Walz, e pelo Departamento dos Direitos Humanos do Minnesota, numa conferência de imprensa.

O Departamento de Polícia de Minneapolis tem enfrentado décadas de alegações de brutalidade e outras discriminações contra afro-americanos e outras minorias, mesmo dentro do próprio organismo.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.

Pelo menos nove mil pessoas foram detidas e o recolher obrigatório foi imposto em várias cidades, incluindo Washington e Nova Iorque, mas diversos comentários do Presidente norte-americano, Donald Trump, contra os manifestantes têm intensificado os protestos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.