“Taiwan mostrou ao mundo o quanto amamos o nosso modo de vida livre e democrático, bem como a nossa nação”, afirmou Tsai Ing-wen, em declarações à comunicação social, anunciando a sua vitória nas eleições presidenciais hoje realizadas.

No escrutínio de hoje, Tsai Ing-wen derrotou dois adversários: Han Kuo-yu, o principal candidato da oposição que concorria pelo Partido Nacionalista, e James Soong (conservador e favorável a Pequim) do pequeno Partido Primeiro o Povo.

Com 99,75% dos votos escrutinados, Tsai Ing-wen venceu o escrutínio com 57,2% dos votos, contra os 38,6% do candidato Han Kuo-yu, segundo os dados divulgados pelas agências internacionais.

O opositor Han Kuo-yu reconheceu, entretanto, a sua derrota e felicitou Tsai Ing-wen pela reeleição para um novo mandato presidencial de quatro anos.

“Liguei à Presidente Tsai para a felicitar”, disse Han Kuo-yu aos seus apoiantes concentrados na cidade portuária de Kaohsiung, no sul de Taiwan.

“Ela tem um novo mandato para os próximos quatro anos”, prosseguiu o político.

Na sua declaração de vitória, Tsai Ing-wen, que é contra o princípio de “uma China única”, dirigiu palavras diretas a Pequim, que considera a ilha parte do seu território, não excluindo o uso da força, caso seja necessário, para assumir o controlo da região.

“A paz é a China abandonar as suas ameaças contra Taiwan”, assegurou a Presidente eleita.

“Espero que as autoridades de Pequim entendam que Taiwan, um país democrático, e que o nosso governo democraticamente eleito, não irão ceder a ameaças e a intimidações”, prosseguiu.

Os 19 milhões de eleitores de Taiwan foram hoje chamados às urnas para escolher entre duas visões divergentes sobre o futuro do território e das suas relações com Pequim, que continua a ser o maior parceiro comercial.

Tsai Ing-wen, no poder desde 2016, contesta e considera autoritário o poder comunista de Pequim, enquanto o opositor Han Kuo-yu defendeu durante a campanha uma abordagem mais flexível com a China.

Taiwan, ilha com cerca de 23 milhões de pessoas, está politicamente separada da China há sete décadas.

O território, que é apenas considerado um país independente por um pequeno grupo de Estados, reclama a sua independência da China desde a guerra civil de 1949.

Depois de uma pausa de uma década, Taiwan reativou em 2017 os seus esforços junto dos respetivos aliados para tentar reunir apoios e alcançar a readmissão nas Nações Unidas, organização que deixou em outubro de 1971 após a reentrada da China (um dos cinco Estados permanentes do Conselho de Segurança da ONU).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.