A 03 de junho, a empresária Manuela Couto e Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara de Barcelos, ficaram com a medida de coação de permanência obrigatória na residência, com pulseira eletrónica, enquanto Joaquim Couto, ex-presidente da câmara de Santo Tirso, pagou uma caução de 40 mil euros para sair em liberdade e Laranja Pontes, ex-presidente do IPO/Porto, pagou 20 mil euros para o mesmo efeito.

Os arguidos foram detidos no âmbito da investigação da operação “Teia” que se centrou nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, investigando suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na "viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto", segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária.

“Ainda não fomos notificados pelo Tribunal da Relação do Porto, pelo que desconheço a fundamentação para a decisão tomada”, declarou o advogado do casal Couto, Nuno Brandão, confirmando decorrer a decisão hoje conhecida do recurso interposto pela defesa “pedindo a revogação da obrigação de presença na habitação”.

“Hoje foi-lhe retirada a pulseira eletrónica”, confirmou.

Nuno Brandão informou ainda ter sido “negado provimento ao recurso que o Ministério Público interpôs para que fosse aplicada prisão preventiva quer a ela quer a Joaquim Couto”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.