Para completar o quadro falta apenas acrescentar que também se tratavam - e tratam - de duas equipas à procura de sorte diferente no campeonato inglês: no fim da tabela, o Norwich procurava neste jogo pontos para alcançar a zona de salvação, já o Tottenham tinha na mira o quarto lugar que uma vitória lhe daria, à frente do Chelsea que amanhã defronta o Arsenal. Porque é que a Premier League é tão especial? Também por isto, não há lugares aborrecidos na classificação.

Antes do jogo, a imprensa inglesa dedicou algum espaço à incógnita Tanguy Ndombele, o médio que o Tottenham foi buscar por 55 milhões de libras ao Lyon. A história conta-se em breves linhas: lesionado durante algumas semanas, Ndombele foi convocado para o jogo do Boxing Day contra o Brighton, mas, apesar de apto para jogar, optou por se declarar indisponível e a questão era se José Mourinho o incluiria ou não no onze inicial deste sábado. Mourinho é um homem novo, já foi dito, e confirmou-o.

"Estamos gratos que ele queira jogar e que esteja pronto para ajudar a equipa", disse José Mourinho sobre Tanguy Ndombele numa entrevista antes do jogo desta tarde à Sky Sports. “Talvez não os 90 minutos, mas pronto para jogar". Foram mesmo 90 minutos e uns 90 minutos de encher o olho, é bom que se diga.

Além de Tanguy Ndombele, também Juan Foyth, Giovani Lo Celso e Christian Eriksen foram novidades do lado Tottenham. Do lado do Norwich, também quatro novidades na equipa: Jamal Lewis, Mario Vrancic, Onel Hernandez e Marco Stiepermann. E, sem spoilers que já lá vão os 90 minutos de jogo, sairiam dos pés de duas novidades nas equipas, os dois primeiros golos - validados - de Norwich e Tottenham.

Mas vamos ao filme do jogo.

Um início em modo bola para a frente com as duas equipas a procurarem perceber o que cada uma estava disposta a fazer. Foram assim os primeiros 10 minutos de jogo, mas as coisas iriam aquecer a partir dos 12 minutos quando Delle Alli do Totenham chutou por cima da trave após passe de Harry Kane. Três minutos depois, o mesmo Harry Kane, depois de passe longo do Toby Alderweireld,  tenta a sua sorte e recebe de troco uma boa defesa do guarda redes Krull, hoje com a camisola do Norwich City mas que também já passou pelo Tottenham.

Estes foram os cinco minutos da primeira parte em que o Tottenham conseguiu criar perigo já que no resto do primeiro tempo o jogo seria dominado pelo Norwich. Um domínio que se materializou em vantagem aos 18 minutos quando Mario Vrancic inaugurou o marcador depois de uma perda de bola do central Juan Foyth.

Nos minutos que se seguiram o Norwich cresceu no jogo, pressionou e obrigou o adversário a cometer erros e a não conseguir progredir e menos ainda concretizar. E assim foi até aos 34 minutos quando Teemu Pukki ou "Pukki Party" como também é conhecido o avançado finlandês no Norwich, arrancou em sprint e marcou o que seria o segundo golo da sua equipa durante breves segundos, tantos quantos o VAR demorou a invalidar o golo numa decisão muito discutida - e discutível.

E foi assim com uma unha negra de fora de jogo que o Tottenham se livrou de chegar ao intervalo a perder por 2-0.

José Mourinho
créditos: AFP or licensors

José Mourinho não adiou o inadiável e fez duas substituições ao intervalo: deixou no balneário os defesas centrais Vertonghen e o jovem Foyth e fez entrar o extremo Lucas Moura e o central Davidson Sanchez. O treinador português teve de esperar 9 minutos para ver resultados da estratégia seguida, mas aos 54 minutos o golo chegou para o Tottenham. O dinamarquês Christian Erksen empatou num livre quase penálti, pelo menos nos pés deste especialista, e o Spurs empatavam em Carrow Road.

Seguiram-se seis minutos de emoções fortes. Aos 57 minutos, o Tottenham adiantava-se no marcador com um golo de Deli Alli, (bem) anulado e que devolveu o marcador ao empate. E aos 60 minutos, depois da defesa do Tottenham ter por duas vezes tirado a bola dos pés dos jogadores do Norwich, acabou por ser o defesa direito do Spurs, Serge Aurier, a ter infelicidade de fazer golo na própria baliza. 2-1 para a equipa da casa.

Nos 20 minutos que se seguiram o Tottenham teve mais posse de bola, mas isso nada quis dizer em matéria de concretização. Até que aos 80 minutos, Harry Kane fez uma jogada de perigo, Harry Kane ganhou um penálti e Harry Kane marcou. E em dois minutos, a sorte do jogo voltou a mudar com o suspeito do costume.

O jogo acaba com um empate que acaba por ser justo, mesmo que saiba a pouco - por razões diversas - a ambas as equipas.

O Tottenham mantém-se assim no 5º lugar, com 30 pontos, mas com mais um jogo que Wolverhampton, Sheffield United e Manchester United que, caso vençam os embates desta jornada, ultrapassam a equipa de Mourinho que poderá ser remetida para o 8.º lugar

Já o Norwich, continua em último, com 13 pontos e a três do Watford.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.