Este texto faz parte da rubrica Regresso a um Mundo Novo, em parceria com a plataforma 100 Oportunidades, em que vários jovens nos ajudam a pensar o mundo pós-pandemia.


Talvez seja difícil recordar o mundo anterior à pandemia, mas não é preciso voltar mais que três ou quatro meses atrás para lembrar que as prioridades já foram outras. Na primeira semana de janeiro, o país acordou com a notícia da morte de um cidadão cabo-verdiano, Luis Giovani Rodrigues, em Bragança, depois de ter sido espancado à porta de um bar, cerca de 10 dias antes; pela mesma altura, as redes sociais entretinham-se com uma possível “Terceira Guerra Mundial”, quando os Estados Unidos da América, liderados por Donald Trump, assassinaram Qassem Soleimani, general iraniano; os mesmos que apresentaram, no final desse mês, um “acordo para a paz” na Palestina negociado sem palestinianos; ainda em janeiro, o International Consortium of Investigative Journalists, em parceria com uma série de órgãos de comunicação social (OCS) internacionais, incluindo o Expresso e a SIC, em Portugal, lançaram o Luanda Leaks, que expôs ainda mais as teias de corrupção da elite angolana; a Agência Portuguesa do Ambiente deu luz verde à construção do aeroporto do Montijo; e, em fevereiro, Harvey Weinstein foi, finalmente, condenado pelo caso #MeToo.

No dia seguinte nada mais se escreveu.

Em março, com a declaração de estado de pandemia pela Organização Mundial de Saúde, o fecho de escolas, teatros, museus, e a posterior implantação de estado de emergência nacional, a agenda mediática dos média tradicionais tornou-se monotemática. Os especiais “ao minuto” tornaram-se o novo normal, lado a lado com contadores do número de casos confirmados, recuperados e mortes por Covid-19, atualizados diariamente - se não em tempo real -, pregados nas homepages dos maiores jornais do país. Conferências de imprensa oficiais passaram a ser transmitidas em direto e desdobradas em mais ou menos notícias, com mais ou menos corpo de texto. Tudo, claro, em permanente atualização.

Resumindo: tudo mais caótico, mais frenético, com menos tempo, mais mês ao final do dinheiro (já que centenas de jornalistas deste país estão em lay off e outra parte, sem contrato, vê a vida cada vez mais difícil), mas o mesmo business as usual. O modelo de jornalismo antes e depois da chegada do novo coronavírus é um espelho de si mesmo. Órgãos de comunicação social transformados em máquinas produtoras de “conteúdos” de maneira desenfreada - quanto mais rápido, melhor.

Produzir algo que vá para além do que uma máquina poderia publicar. Fazer perguntas, escrutinar os poderes, ouvir quem não costuma ser ouvido, contar as histórias que não costumam ser contadas, contextualizar, oferecer mais do que factos. É isso que nos torna a nós, jornalistas, diferentes de quem vive para espalhar mentiras ou meias-verdades.

Mas se, numa altura como esta, é importante ter acesso a notícias o mais rapidamente possível, é crucial que se faça jornalismo com tempo e profundidade. Se toda a gente está a trabalhar sobre o “agora”, quem fica para explicar o que não faz notícia? Não é porque a pandemia tem uma importância enorme na opinião e saúde públicas que desapareceram os problemas sociais que antes existiam. Refugiados continuam a morrer às portas da Europa em campos sobrelotados e sem condições de habitabilidade; a crise climática continua sem solução à vista; a pobreza e as desigualdades sociais vão, provavelmente, acentuar-se ainda mais, com a crise económica que - parece inevitável - virá por aí. É obviamente importante que se publiquem breaking news, mas é precisamente porque está toda a gente a olhar para um lado que é necessário que haja quem olhe para o outro. E isso só se consegue fazer com tempo.

É exatamente este o ambiente em que as fake news proliferam: o caos. Quando tudo é tão diferente, tão incrível, tão rápido, é fácil confundir informação com desinformação. Pois, o jornalismo tem o dever de distanciar-se dela. Mas ao multiplicar-se em peças escritas às centenas, sem edição, jogando o jogo da adivinhação com o objetivo de ser o primeiro, sem investigação, sem deontologia, chocando por chocar, está, na verdade, a submeter-se às mesmas regras da produção de fake news. Com uma diferença: no meio da pocilga, a ficção vai sempre ser mais sensacional. O que devia o jornalismo focar-se em fazer é o contrário do que tem feito. Produzir algo que vá para além do que uma máquina poderia publicar. Fazer perguntas, escrutinar os poderes, ouvir quem não costuma ser ouvido, contar as histórias que não costumam ser contadas, contextualizar, oferecer mais do que factos. É isso que nos torna a nós, jornalistas, diferentes de quem vive para espalhar mentiras ou meias-verdades. E é isso também que torna o jornalismo que fazemos relevante. É a qualidade, a consistência e a profundidade que atrairá leitores, ouvintes e espetadores a tornarem-se subscritores ou membros. Ninguém paga por jornalismo que sabe poder ler noutro sítio qualquer. As pessoas procuram algo que não encontrarão em mais lado nenhum, feito por alguém que foi mais além. Que lhes explicou o que elas próprias não conseguiriam descobrir.

Desde o início da pandemia, o número de visitantes a websites dos maiores OCS portugueses cresceu para níveis históricos. O Observador conta ter duplicado números para “os melhores jamais registados ao longo dos praticamente seis anos de história do jornal”; o Público viu a mesmo evolução e ainda um “crescimento acentuado do número de assinantes”; o mesmo aconteceu com o Diário de Notícias, confirmou a sua ex-diretora executiva, Catarina Carvalho (antes de se demitir em protesto contra a decisão de avançar para lay off). Em sentido contrário, as receitas com publicidade têm decrescido drasticamente com a crise económica. Este é, talvez, o único ponto positivo desta crise. A tão-anunciada morte do modelo tóxico da publicidade, que lucra com o lado mais negro do “jornalismo”, e a sua substituição pela única coisa que o poderá salvar: as pessoas. Mas para fazer com que elas o apoiem, é preciso que revolucionemos as nossas escolhas editoriais. Que façamos menos, mas melhor.

*Ricardo Esteves Ribeiro é jornalista do Fumaça e escreve segundo o novo acordo ortográfico

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Um artigo do parceiro

O Projeto 100 Oportunidades é um projeto dos Global Shapers de Lisboa que pretende contribuir para a emergência de uma nova geração de vozes, jovens, no debate público, das quais esta que leram é um exemplo.