Em resposta à visita de Pelosi, a China iniciou as maiores manobras da sua história em Taiwan e suspendeu a sua cooperação com os Estados Unidos em vários temas importantes, incluindo as mudanças climáticas.

Mas o que os chineses pensam sobre isso?

É difícil ter uma ideia geral, já que as autoridades controlam estritamente as discussões na Internet, com um sistema de censura que apaga as publicações mais negativas sobre a política do governo.

Os especialistas acreditam que a população está maioritariamente a favor da reunificação com Taiwan e não aceitaria a independência da ilha sob nenhuma circunstância.

Os internautas mais extremistas pedem uma guerra, mas nas ruas as pessoas com quem a AFP conversou são mais moderadas e esperam principalmente um retorno à calma.

"Não me preocupa muito porque acho que não haverá (uma guerra) (...). Quem usar a força primeiro cometerá um erro", estima Zhao, chinês que forneceu apenas o sobrenome.

O governo chinês considera Taiwan - onde os nacionalistas chineses se refugiaram quando Mao Tsé-Tung e os comunistas tomaram o poder na China em 1949 - como uma província que um dia será reunificada com o resto de seu território, pela força se necessário. Este objetivo é compartilhado por grande parte da população.

"Muitos chineses esperam um dia uma reunificação com Taiwan. É uma ideia que nos ensinaram desde crianças e considerada politicamente correta", explica Zhao, de 29 anos.

"Mas há poucos debates profundos sobre o assunto, já que a internet não permite uma variedade de opiniões e os debates na vida real acabam facilmente em brigas", acrescenta.

Para David Sacks, pesquisador do 'think tank' americano Council on Foreign Relations, a visita de Pelosi aconteceu no pior momento para o presidente chinês Xi Jinping.

O presidente quer forçar, diante de seus compatriotas, uma imagem de força e estabilidade para o 20º Congresso do Partido Comunista, que deve, salvo surpresas, conceder-lhe um terceiro mandato.

"É provável que Xi sentisse que tinha que agir, por medo de parecer fraco ou passar por alguém que não tem sob controle a relação (sino-americana), a mais importante para a China", explica Sacks, entrevistado pela AFP .

Segundo Jocelyn Chey, ex-diplomata australiana e professora na Universidade de Sydney, as sanções comerciais contra Taiwan e as manobras militares "são bem recebidas" pela população chinesa.

Mas ocorrem num momento em que o gigante asiático enfrenta um período de crise pelos mais de dois anos de restrições para conter a covid-19, com uma população cansada dos confinamentos sucessivos e do encerramento das fronteiras internacionais, disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.