Os compromissos vão ser formalmente anunciados esta tarde durante o Fórum de Igualdade de Geração das Nações Unidas, em Paris, após uma iniciativa liderada pela Web Foundation, reunindo especialistas de empresas de tecnologia, governo, sociedade civil e mulheres vítimas de intimidação na Internet de 35 países.

A ativista moçambicana Graça Machel é uma das centenas de mulheres signatárias de uma carta exortando os responsáveis destas empresas a concretizar as promessas feitas, juntamente com as atrizes Emma Watson, Ashley Judd e Thandiwe Newton, as políticas Michelle Bachelet e Mary Robinson, a cantora Annie Lenox e a antiga tenista Billie Jean King, entre outras.

Na carta, condenam esta “pandemia de abusos ‘online’ contra mulheres e raparigas” que consideram “uma das maiores barreiras a` igualdade de género”, discriminando sobretudo mulheres não brancas ou da comunidade LGBTQ+.

“A escala do problema é enorme: 38% das mulheres em todo o mundo já sofreram diretamente assédios ‘online’. Esse número sobe para 45% para as gerações Z e Y” [nascidas desde os anos 1981 e 2012], afirmam, alertando para “consequências devastadoras”.

Como prioridades, identificam a necessidade de dar maior controlo aos utilizadores das plataformas sobre quem pode interagir com eles nas redes sociais e melhores sistemas para a denúncia de práticas de assédio.

Para a diretora de questões políticas da Web Foundation, Azmina Dhrodia, muitas mulheres são “perseguidas, atacadas e, posteriormente, silenciadas” na Internet, mas, juntas, Facebook, Google, TikTok e Twitter podem “melhorar as experiências online de centenas de milhões de mulheres e meninas”.

A organização não-governamental Web Foundation foi fundada pelo chamado “inventor” da Internet, o cientista britânico Tim Berners Lee.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.