“Fico surpreendido com essa disponibilidade revolucionária em participar numa greve”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder dos comunistas admitiu que “os trabalhadores da administração pública estão há oito ou nove anos sem receber qualquer aumento salarial” e “o descongelamento das carreiras não invalida que não precisem de uma resposta tal como os trabalhadores do setor privado”.

À margem da inauguração da sede no Cadaval, questionado se o PCP vai apoiar essas greves, Jerónimo de Sousa disse que o que vai determinar essas lutas “não é a posição do PCP, mas sim a luta dos trabalhadores”,

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse que há setores preparados para greves no caso de não haver aumentos na Função Pública.

No seu discurso, Jerónimo de Sousa explicou que, depois de afastar o Governo PSD/CDS-PP, “foi possível com o papel do PCP encontrar um rumo diferente à vida política nacional com a reposição de rendimentos e direitos que não estavam previstos no programa do PS” e apelou a um “partido mais forte” para o “futuro que aí vem”.

O secretário-geral do PCP admitiu que quer alterar a legislação laboral para “repor direitos que desapareceram do Código do Trabalho”, dando como exemplos as questões da contratação coletiva, da caducidade dos contratos, das 35 horas de trabalho semanal, dos dias de férias e do aumento dos salários, “um conjunto de propostas que, a serem aprovadas, levaria a uma reposição e a um rumo positivo no quadro das relações laborais”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.