Dizendo não se lembrar de ver tamanha moldura humana em eleições, Rui Rio falou aos militantes da varanda de um prédio situado mesmo ao lado de uma sede do PS, de onde agradeceu a presença da “multidão”, referindo que pela segunda vez em mais de 100 anos um ex-presidente da Câmara do Porto “pode chegar a primeiro-ministro”.~

A seu lado, Rui Rio tinha o eurodeputado Paulo Rangel, o ex-líder do PSD Luís Filipe Menezes, o antigo ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco, o candidato às últimas autárquicas à Câmara do porto Vladimiro Feliz e a cabeça de lista do PSD pelo círculo do Porto, Sofia Matos.

“Quero agradecer a presença desta multidão aqui que me recebe naquela que é a minha terra, o Porto, onde eu tive muito gosto e orgulho de presidir a esta Câmara Municipal”, declarou, perante a euforia dos apoiantes, que gritavam “É canja, é canja, o Porto é laranja”.

Antes da chegada de Rio, mas já com a presença de centenas de militantes do PSD, junto à Capela das Almas, as bandeiras laranja misturaram-se com as azuis e brancas da Iniciativa Liberal, cuja caravana, liderada por João Cotrim Figueiredo, passou na Rua de Santa Catarina cerca de meia hora antes do início da arruada do PSD.

Da varanda onde subiu para discursar, Rio lembrou ainda que, na história de Portugal só uma vez um presidente da Câmara do Porto chegou a primeiro-ministro, em 1909.

E prosseguiu: “113 anos depois, um antigo presidente da Câmara do Porto pode chegar novamente a primeiro-ministro do país com a vossa ajuda e com o vosso voto”.

Referindo-se à quantidade de pessoas que participaram na arruada, que se estendia pelas Rua de Santa Catarina desde o cruzamento com a Rua Passos Manuel até ao cruzamento com a Rua Fernandes Tomás, Rio frisou não se lembrar de ver tamanha multidão em eleições.

“Tenho, como sabem, já muitas campanhas eleitorais no país e particularmente aqui no Porto. Vocês estão aí em baixo e, tirando aqueles que possam ter dois metros de altura, não conseguem vem aquilo que nós aqui de cima da varanda conseguimos ver, que é uma moldura humana como eu não me lembro de ver em eleições (…) não me lembro sinceramente de tantas pessoas aqui na rua de Santa Catarina”, referiu.

Rio diz que PS "merece perder" por campanha "com base na mentira"

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje que o PS “merece perder” porque fez “uma campanha com base na mentira”, deturpando as ideias dos sociais-democratas, ao contrário do PSD, que fez uma campanha “pela positiva” e da qual se pode orgulhar.

“O PS optou por fazer uma campanha em que, em vez de dar as suas ideias, tratava de deturpar as nossas ideias, inventando que queremos privatizar a Segurança Social, quando não é verdade, que queremos privatizar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), o que não é verdade, que queremos pôr as pessoas a pagar quando vão ao hospital, o que não é verdade, que não queremos aumentar o salário mínimo nacional, o que não é verdade, que estamos ligados à extrema-direita, o que não é verdade. Fez uma campanha na base da mentira, merece perder”, declarou.

Falando aos apoiantes da varanda de um prédio na Rua de Santa Catarina, no Porto, onde o PSD fez hoje à tarde uma arruada, Rui Rio mostrou-se orgulhoso da campanha do seu partido para as eleições legislativas do próximo domingo, perante uma multidão que gritava “o povo não esquece que a culpa é do PS”.

“Estamos a terminar a campanha eleitoral e acho que podemos ter orgulho na campanha que fizemos. Fizemos uma campanha pela positiva, divulgando as nossas ideias, criticando as opções do adversário, mas nunca mentindo sobre o adversário, porque na democracia é assim mesmo”, referiu, enquanto Paulo Rangel batia palmas.

No penúltimo dia de campanha, a seu lado, na varanda de um prédio localizado ao lado de uma sede do PS, Rio tinha o eurodeputado Paulo Rangel, o ex-líder do PSD Luís Filipe Menezes, o antigo ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco, o candidato às últimas autárquicas à Câmara do porto Vladimiro Feliz e a cabeça de lista do PSD pelo círculo do Porto, Sofia Matos.

“No próximo domingo há desde logo uma primeira razão para votar no PSD: todos aqueles que querem mudar de Governo, todos aqueles que não querem que o doutor António Costa continue primeiro-ministro, só têm um voto útil e um voto possível, que é votar no PSD, o único partido que está capaz de ganhar ao PS”, declarou.

Enquanto proferia estas palavras, em baixo, na rua, os apoiantes gritavam “vitória” e “Já só faltam três dias para a vitória ".

Num apelo ao voto daqueles que querem “uma mudança no país”, Rui Rio sublinhou que “votar num outro partido qualquer é direta ou indiretamente votar na continuidade” do governo de António Costa.

“Aqueles que querem outro Governo com outro primeiro-ministro têm de votar no PSD, porque votar num outro partido qualquer é direta ou indiretamente votar na continuidade do doutor António Costa e, por aquilo que percebemos nos últimos dias, votar na continuidade da geringonça, do PS, do BE e do PCP. Quem quer uma alternativa, no domingo tem de começar por votar no PSD”, concluiu.

A arruada terminou na Praça da Batalha, com a comitiva social-democrata a seguir na sexta-feira para Lisboa, onde o PSD encerrará a campanha eleitoral com a tradicional descida do Chiado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.