“Direitos, lei e justiça” foi um dos slogans mais entoados pela multidão, chegando de diferentes regiões da Turquia e reunida no distrito de Maltepe, em Istambul.

Fontes da organização disseram que a polícia estimou o número de participantes em 400.000, embora não tenha havido nenhuma comunicação oficial.

Os manifestantes protestaram contra a sentença de quase cinco anos de prisão, confirmada na semana passada, aplicada a uma responsável local do partido, Canan Kaftancioglu, opositora do Presidente turco.

Canan Kaftancioglu, presidente do CHP em Istambul, foi condenada por “insultar altos funcionários”, numa sentença de que ainda vai recorrer para o Tribunal Constitucional.

O protesto foi inicialmente convocado para a cidade de Bursa, como parte de uma série de atos contra o que o partido da oposição considera a “autocracia” de Erdogan, cujo partido governa desde 2003, mas foi transferido para Istambul após o anúncio da sentença.

“Que ninguém desespere, o domínio dos bandidos está a acabar. Resta muito pouco tempo, não se preocupem, vamos abraçar-nos livres nas praças, nas universidades, nas ruas deste país”, prometeu Kemal Kiliçdaroglu, presidente do CHP.

Kiliçdaroglu será provavelmente o candidato de uma frente de vários partidos da oposição nas eleições presidenciais da Turquia marcadas para o próximo ano.

O vice-presidente do CHP, Seyit Torun, disse à agência de notícias espanhola EFE que esta manifestação é um sinal de que o governo de Erdogan está a aproximar-se do fim.

“É um protesto não só contra a injustiça contra Kaftancioglu. Há outros presos por razões políticas. Esta manifestação marca o início da nossa marcha rumo a uma república democrática que acaba com o governo de Erdogan”, afirmou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.