“O reforço militar da Rússia em torno da Ucrânia prossegue e é acompanhado por um discurso ameaçador de Moscovo, caso as suas exigências não sejam aceites. Mas elas são inaceitáveis e o risco de um novo conflito é real”, dramatizou em conferência de imprensa, no final de uma reunião por videoconferência com os ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da Aliança.

Stoltenberg lamentou que a Rússia não tenha fornecido sinais positivos, ao assegurar que Moscovo prossegue com a concentração de “milhares de tropas e armamento pesado” e mantém uma “retórica ameaçadora”.

No entanto, congratulou-se pela disponibilidade do Kremlin em dialogar com os Estados Unidos e a NATO sobre as formas de garantir a segurança na Europa.

O chefe da NATO reiterou que um eventual ataque à Ucrânia “terá consequências significativas e um elevado preço para a Rússia”, e especificou que os Estados Unidos e a União Europeia (UE) já ameaçaram com sanções económicas.

Em simultâneo, definiu como um “sinal positivo” a disponibilidade do Kremlin para “se sentar à mesa e dialogar” quer com Washington, na próxima segunda-feira em Genebra (Suíça), quer com a NATO, na quarta-feira em Bruxelas, e desejou que estes encontros signifiquem “o início de um processo” no qual se poderá “comprometer com diversos assuntos”.

O Kremlin pretende negociar com Washington e a NATO um novo quadro de segurança europeu, e pretende que os Estados Unidos se associem à sua moratória unilateral sobre o deslocamento de mísseis de curto alcance no continente.

Moscovo tem ainda exortado a Aliança para que diminua de forma substancial as suas manobras militares junto das fronteiras russas.

Ainda hoje, e num contacto telefónico com o seu homólogo ucraniano Dmytro Kuleba, o secretário de Estados dos EUA Antony Blinken prometeu que “não haverá discussões sobre a Ucrânia sem a Ucrânia”, a poucos dias das conversações diretas russo-norte-americanas.

O chefe da diplomacia dos EUA evocou as “potenciais respostas dos Estados Unidos e seus aliados” face à concentração de tropas russas, e foram ainda abordadas as três reuniões da próxima semana, incluindo o encontro em Viena na quinta-feira, da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que também inclui Kiev.

Em Paris, o Presidente francês Emmanuel Macron pronunciou-se por sua vez a favor de um diálogo “franco, exigente e coordenado” entre a UE e a Rússia.

A França — que assumiu em 01 de janeiro a presidência rotativa do bloco comunitário — tem defendido uma “arquitetura de segurança” própria, que permita à União Europeia reagir de forma autónoma face a futuros desafios geopolíticos.

“A UE deve dialogar com a Rússia. Dialogar não é fazer concessões. É, em primeiro lugar, abordar os desacordos, mas construir o futuro”, disse Macron em conferência de imprensa com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.