Vestido de preto, Nabil Karoui deixou ao início da noite a prisão de Mornaguia, a 20 quilómetros de Tunes, capital do país, cercada por um grande contingente policial que repelia uma multidão que se queria aproximar do candidato.

Os apoiantes carregaram o candidato em ombros até ao carro onde abandonou o local, sem fazer declarações.

Empresário e magnata dos ‘media’, Nabil Karoui, cujo partido foi fundado há seis meses, estava detido desde 23 de agosto por suspeita de fraude fiscal e branqueamento de capitais.

O momento em que ocorreu a sua detenção, 10 dias antes do início da campanha para a primeira volta das presidenciais, suscitou interrogações sobre uma instrumentalização da justiça pela política.

Em julho, o juiz de instrução decretou o congelamento dos bens de Karoui e do seu irmão Ghazi, e a proibição de deixar o país.

Na primeira volta das presidenciais em 15 de setembro, o professor universitário independente Kais Saied venceu o escrutínio com 18,4% dos votos, à frente da Karoui, que garantiu 15,58%.

O partido de Karoui, a Isie, observadores internacionais e diversos responsáveis políticos tinham apelado para que fossem concedidas condições ao candidato detido para uma campanha justa e equilibrada na segunda volta, em 13 de outubro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.