"Respeitamos os partidos que entendem que é útil que haja acordo escrito [Bloco de Esquerda] e também os partidos que entendem que não é útil que haja acordo escrito [PCP]. Não trabalharemos preferencialmente com nenhum dos partidos com quem temos contactos ao longo do dia de hoje", declarou António Costa no final de hora e meia de reunião na sede do PCP.

António Costa congratulou-se por, até agora, nenhuma força política (Livre, PAN, PEV e PCP) "ter fechado a porta" à formação do novo governo socialista, defendeu que "há razões para se encarar com confiança" a próxima legislatura e procurou acentuar a ideia de que o quadro político atual é distinto daquele que se verificava em 2015, quando foi formada a "Geringonça".

"Nesta reunião, o que foi manifestado pelo PCP - e que consideramos positivo - é a disponibilidade para fazer a apreciação conjunta desde logo do Orçamento do Estado. Haver essa disponibilidade é um sinal positivo", insistiu.

A seguir, o líder socialista procurou desdramatizar o facto de o PCP, desta vez, não pretender assinar qualquer declaração conjunta na perspetiva de uma legislatura, ao contrário daquilo que aconteceu em 2015.

"Felizmente, o quadro político é distinto do de 2015. O quadro político anterior ou o atual não aproximou ou distanciou mais o PS do PCP. O anterior quadro político colocava exigências a cada um dos partidos distintas em relação às condições que existem hoje, desde logo porque em 2015 era necessário afirmar uma maioria que não tinha resultado diretamente das eleições para haver uma indigitação de Governo", justificou, numa alusão ao papel então assumido pelo ex-Presidente da República Cavaco Silva.

Neste ponto, António Costa lembrou que a legislatura anterior começou com um Governo de Pedro Passos Coelho (PSD/CDS-PP), que depois foi derrubado no parlamento.

Agora, na sequência das eleições de domingo, segundo António Costa, "ninguém teve dúvidas de que o PS deveria formar Governo".

"O Presidente da República indigitou-me na terça-feira para formar Governo. Portanto, acho que a diferença de quadro político explica a desnecessidade de alguns atos que tiveram de ter lugar há quatro anos", sustentou António Costa, novamente numa tentativa de desdramatizar eventuais consequências sobre a intenção do PCP de não voltar a assinar uma declaração conjunta de legislatura.

Nos próximos quatro anos, não havendo uma maioria no Parlamento, "há que negociar no quadro parlamentar", completou António Costa.

Interrogado se haverá negociações com o PCP para integrar propostas comunistas no programa de Governo que irá apresentar na Assembleia da República, o secretário-geral do PS afastou essa perspetiva.

"Mas seguramente haverá trabalho conjunto para o Orçamento do Estado [para 2020], onde procuraremos fazer como temos feito nos últimos anos. Faremos uma avaliação conjunta, tendo em vista que existam condições para a aprovação do Orçamento", disse.

Na sede do PCP, o líder socialista procurou também deixar garantias de futuro, dizendo que "aquilo que aconteceu há quatro anos", com a formação da atual solução política, faz com que "nada volte a ser como antes de 2015", em que comunistas e bloquistas estavam fora do chamado "arco da governação".

"Iremos prosseguir o caminho iniciado há quatro anos, consolidando o que foi alcançado e garantindo que não haverá qualquer tipo de retrocesso", acrescentou.

(Notícia atualizada às 19h28)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.