“O acordo de fornecimento acordado com a Unicef irá expandir o acesso às vacinas e permitirá satisfazer a procura mundial”, disse o FIDR.

O fornecimento e entrega da vacina russa está, contudo, sujeita à autorização da Organização Mundial de Saúde (OMS) para este procedimento de utilização de emergência.

O FIDR espera que esta decisão seja anunciada “em breve”, dado que pediu a aprovação da OMS já em outubro de 2020.

O fundo russo acrescentou também que está em conversações com a Aliança GAVI, a fundação de Bill e Melinda Gates, para ver se pode incluir a Sputnik V no mecanismo internacional COVAX, concebido para a distribuição equitativa de vacinas.

A Rússia tem quatro vacinas contra a covid-19 de produção própria: a Sputnik V, a EpiVacCorona e a CoviVac, todas compostas por duas doses, e a Sputnik Light, de dose única.

A Eslováquia e a Hungria são os únicos países da União Europeia que autorizam a administração da Sputnik V, que ainda não foi aprovada pelo regulador de medicamentos da UE.

As autoridades russas anunciaram que, nas últimas semanas, houve um acréscimo do número de casos positivos e que a situação pandémica no país continua “tensa”.

No total, a Rússia regista mais de cinco milhões de casos, tornando-se o sexto país do mundo com mais infeções, atrás dos Estados Unidos, Índia, Brasil, França e Turquia, respetivamente.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.500.321 mortos no mundo, resultantes de mais de 168,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.