“Infelizmente ela [Ómicron] já é prevalente aqui no Brasil, nós estamos a assistir a um aumento de casos e, como em outros países que têm uma campanha de vacinação forte como a nossa, a nossa expetativa é que não haja um impacto em hospitalizações e em óbitos”, disse Queiroga, em declarações a jornalistas.

O ministro brasileiro mencionou que o país tentou impedir que a Ómicron entrasse no país, mas o vírus chegou e espalhou-se independentemente de qualquer tipo de medida sanitária adotada.

Questionado sobre a vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos, que ainda não começou e tem sido colocada em causa pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde afirmou que a campanha de vacinação nesta faixa etária começará quando doses de vacinas da Pfizer chegarem ao país.

O Governo brasileiro espera receber o primeiro lote das vacinas pediátricas da Pfizer na quinta-feira.

Queiroga também voltou a dizer que o país poderá usar a vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, para a imunização infantil se o medicamento for aprovado para esta faixa etária pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Se a Anvisa aprovar [a Coronavac], o Ministério da Saúde vai analisar as condições dessa aprovação e, como de costume, autorizar esse imunizante para a população brasileira”, disse o ministro.

Um dos países mais afetados do mundo pela pandemia, o Brasil já registou 620.091 mil mortes e mais de 22,5 milhões de infeções provocadas pelo coronavírus.

A covid-19 provocou 5.486.519 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.