A descrição da atual situação alimentar do país caribenho é feita por Adoniram Sanches, coordenador sub-regional para a Mesoamérica (que compreende o México e o norte da América Central) e representante da Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) no Panamá e na Costa Rica.

“O Haiti sempre registou entre 40% e 50% (de fome), houve uma ligeira redução nos últimos anos, mas agora já atinge quase metade da população”, afirmou o representante, numa entrevista à agência espanhola EFE.

De acordo com os dados fornecidos por Adoniram Sanches, 48% da população do Haiti, país que conta com cerca de 11 milhões de habitantes, “passa pura fome”.

“É uma grave situação de insegurança alimentar”, que resulta de “fenómenos climáticos e sociais”, prosseguiu.

O Haiti regista graves problemas económicos, políticos, sociais e de insegurança, nomeadamente com raptos para a obtenção de resgates realizados por gangues que quase sempre ficam impunes.

O país ainda tenta recuperar do devastador terramoto de 2010 e do furacão Matthew em 2016.

A inflação tem aumentado e os alimentos e combustível escasseiam no país das Caraíbas, onde 60% da população ganha menos de dois dólares (1,69 euros) por dia.

O clima de crise agravou-se ainda mais com o assassínio, na semana passada (dia 07 de julho), do chefe de Estado do Haiti, Jovenel Moise.

Na opinião de Adoniram Sanches, o Haiti pode ser encarado como “uma tempestade perfeita”, porque é “duramente atingido pelas alterações climáticas”, arrasta “uma instabilidade política ao longo dos últimos 20 anos” e, atualmente, também enfrenta à pandemia da doença covid-19.

Como resultado, frisou o representante, “metade da população está a passar fome”.

“O Haiti produz arroz desde as décadas de 1930 e 1940, mas entrou num ciclo de instabilidade política e institucional”, acrescentou.

Para o alto funcionário das Nações Unidas, o atual contexto do país faz antever “uma terrível expectativa” para o futuro, a médio e a longo prazo, porque “o conflito social está instalado”.

O Haiti, a primeira colónia da região da América Latina e das Caraíbas a conquistar a independência (1804) depois de França ter exigido uma dívida exorbitante para reconhecer o novo país, que levou mais de um século a pagar, “deve procurar a paz nos próximos quatro ou cinco anos”, defendeu Adoniram Sanches.

Para este país caribenho, que atravessa a sua pior crise humanitária, segundo classificou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a cooperação internacional e a ajuda humanitária são essenciais para alcançar a estabilidade, concluiu o alto funcionário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.