O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, disse que a NATO devia “desistir da mentalidade da Guerra Fria, dos jogos de ‘tudo ou nada’ e da prática de criar inimigos”.

A Aliança “não devia tentar transtornar a Ásia e o mundo inteiro depois de perturbar a Europa”, apontou.

Zhao Lijian acusou os membros da NATO de “criar tensão e provocar conflitos” ao enviar navios de guerra e aeronaves para áreas próximas ao continente asiático e ao Mar do Sul da China.

Estas observações de Pequim surgem após uma recente interceção de uma aeronave de vigilância do Canadá, por um caça chinês, no espaço aéreo internacional, que as autoridades canadianas descreveram como imprudente por parte do piloto chinês.

A Austrália, aliada dos Estados Unidos, disse também que, em 26 de maio, a China cometeu um perigoso ato de agressão contra um avião da Força Aérea australiana que realizava operações de vigilância aérea no Mar do Sul da China.

Madrid declara Rússia "maior e mais direta ameaça"

Os lideres da NATO declararam hoje a Rússia como a "maior e mais direta ameaça" à paz e segurança dos países Aliança Atlântica, no final da primeira sessão de trabalho da cimeira de Madrid.

“Continuamos a enfrentar ameaças distintas, de todas as direções estratégicas. A Federação Russa é a maior e mais direta ameaça à segurança, paz e estabilidade dos aliados [na NATO] na região euro-atlântica”, lê-se na Declaração da Cimeira de Madrid, um texto subscrito pelos 30 chefes de Estado e de Governo da Organização do tratado do Atlântico Norte.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.