“Desde 6 de dezembro, tem-se verificado um crescimento exponencial na proporção de casos prováveis da variante Omicron, tendo atingido uma proporção estimada de 82,9% no dia 29 de dezembro”, referem as “linhas vermelhas” da pandemia da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Segundo o relatório hoje divulgado, entre 22 e 28 de dezembro, 61% dos casos notificados foram isolados em menos de 24 horas, quando na semana anterior este valor estava nos 84%.

Além disso, 39% de todos os casos notificados tiveram todos os seus contactos rastreados e isolados em 24 horas, avança a análise de risco das autoridades de saúde, que refere que, nos últimos sete dias, estiveram envolvidos diariamente no rastreamento, em média, 638 profissionais a tempo inteiro, mais 148 do que na semana anterior.

“A capacidade de rastreamento de contactos de casos revela sinais de pressão”, alerta o documento.

De acordo com as “linhas vermelhas”, nos últimos sete dias foram realizados mais de 1,5 milhões de testes da covid-19, enquanto na semana anterior tinham sido feitos cerca de 1,2 milhões de despistes.

“É provável um aumento de pressão sobre todo o sistema de saúde e na mortalidade. A sua magnitude é ainda incerta, mas resultará do rápido aumento do número de casos e será condicionada também pela provável menor gravidade da infeção pela variante Ómicron e pelo efeito protetor da vacinação, em especial da dose de reforço”, refere a análise de risco da pandemia.

Segundo o relatório, na terça-feira os 151 doentes com covid-19 internados em cuidados intensivos representavam 59% do limiar crítico de 255 camas ocupadas, valor que demonstra uma “tendência estável” deste indicador.

Com 37 doentes em cuidados intensivos, o Centro é a região que apresenta maior ocupação de unidades de cuidados intensivos (UCI), estando já com 109% do nível de alerta de 34 camas, seguida do Algarve (78%) e do Norte (69%).

O nível de alerta definido corresponde a 75% do número de camas disponíveis para doentes de covid-19 em medicina intensiva para Portugal continental.

A gestão da capacidade do Serviço Nacional de Saúde pressupõe uma resposta em rede que, no caso da medicina intensiva, significa que as necessidades regionais podem ser supridas com respostas de outras regiões com maior capacidade, refere o documento.

De acordo com as autoridades de saúde, o grupo etário com mais internados em UCI é o dos 60 aos 79 anos (92 doentes), no qual se observa uma tendência estável desde as últimas semanas de novembro.

As “linhas vermelhas” indicam ainda que, na quarta-feira, mortalidade específica por covid-19 foi 21,1 mortes em 14 dias por um milhão de habitantes, o que corresponde a uma diminuição de 3% relativamente ao último relatório e indicando uma tendência estável.

“Este valor é superior ao limiar de 20 óbitos em 14 dias um milhão de habitantes definido pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), indicando um impacto elevado da epidemia na mortalidade”, refere a análise de risco da pandemia.

A análise dos diferentes indicadores revela uma atividade epidémica do coronavírus de intensidade muito elevada, com tendência crescente a nível nacional, com Portugal a registar uma incidência cumulativa a 14 dias de 1.206 casos por 100 mil habitantes.

O grupo etário com incidência mais elevada correspondeu às pessoas entre os 20 e 29 anos, com 2.327 casos por 100 mil habitantes, avança o relatório, que indica também que a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 foi de 6,7%, quando na semana anterior era de 3,4%, encontrando-se acima do limiar definido de 4% e com tendência crescente.

A covid-19 provocou mais de 5,42 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.937 pessoas e foram contabilizados 1.358.817 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.