Em vigor entre as 21:00 e as 04:30 desde 23 de janeiro, o primeiro recolher obrigatório nos Países Baixos desde a Segunda Guerra Mundial deveria terminaria a 10 deste mês (próxima quarta-feira).

Para justificar o prolongamento do recolher obrigatório por mais três semanas, o Governo dos Países Baixos, num comunicado saído de uma reunião interministerial do executivo, considerou a medida “necessária devido às novas variantes mais contagiosas do novo coronavírus”

Segundo o Governo, mais de 95% dos holandeses respeitaram o recolher obrigatório, bem como outras medidas para combater a covid-19, como a limitação do número de visitantes a uma pessoa por família e por dia e a proibição de voos de e para certos países.

Na semana passada, Haia já tinha prolongado as outras restrições também até 02 de março, como o encerramento de bares, restaurantes e de lojas não essenciais, apesar de autorizar, desde hoje, a abertura da maioria das escolas primárias.

A instauração do recolher obrigatório, imposta a 23 de janeiro, desencadeou uma série de incidentes no país, com a polícia a utilizar canhões de água e gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes, nomeadamente em Amesterdão, Roterdão, Haia e Eindhoven, tendo detido cerca de 400 pessoas.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, descreveu os manifestantes como “criminosos”, enquanto um de seus ministros preferiu a expressão “escória”.

Várias pessoas consideradas culpadas de violência durante esses distúrbios foram condenadas a curtas penas de prisão ou serviço comunitário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.