“Trabalhadores do Bingo do Boavista em luta pelo pagamento dos salários em atraso, pela reabertura da sala, e na defesa dos postos de trabalho”, “Governo escuta, trabalhadores estão em luta”, “Reabertura da Sala para já e sem demora”, “Exigimos respeito pelos direitos dos trabalhadores do Bingo do Boavista” eram as frases que se liam na faixa e nos cartazes que os trabalhadores seguravam nas mãos, esta manhã, à porta do Ministério do Trabalho, na Avenida da Boavista, numa ação de protesto organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRS).

Alfredo Saramago, 56 anos de idade e com 38 anos de trabalho no Bingo do Boavista, é um dos trabalhadores do Bingo do Boavista que hoje se manifestava à frente do Ministério do Trabalho, lamentando que a concessionária Pefaco lhe está a dever salários desde janeiro de 2021 até agora e “50% do subsídio de Natal” de 2020.

“A empresa não cumpre com a lei. Não percebo como é que o Estado está a demorar tanto tempo em resolver este problema. Se a empresa não serve, que retirem a concessão e que abra um novo concurso. Agora, é muito triste trabalhar aqui uma vida inteira e, de um momento para o outro, ver uma empresa lucrativa — é uma fábrica de fazer dinheiro -, que nos abandona”, declarou à Lusa, reiterando que não entende porque é que a administração da Pefaco não paga “o imposto de selo e de jogo” e o Estado ainda não tirou a concessão à empresa.

Francisco Figueiredo anunciou aos trabalhadores que a “secretária de Estado do Turismo notificou a Pefaco para retirar a concessão da sala do Boavista”, mas lamentou que o Governo e Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) ainda não tenham conseguido resolver o problema dos trabalhadores do Bingo do Boavista e promete “continuar a protestar até que a situação seja resolvida”.

Os trabalhadores entregaram hoje uma moção aprovada por os funcionários do Bingo do Boavista a exigir “que o Governo e a ACT atuem sem demora de acordo com as atribuições e competências”, “seja retirada a concessão à Pefaco”, “seja nomeada uma comissão administrativa”, “seja reaberta a sala do Bingo do Boavista” e “seja feito um novo concurso para a concessão daquela importante sala de jogo de bingo da cidade do Porto com a garantia da manutenção de todos os postos de trabalho”.

O Bingo do Boavista tinha 62 trabalhadores em atividade antes de encerrar e “faturava mais de seis milhões de euros por ano”, lê-se na moção a que a Lusa teve acesso.

Até à data, a concessão da sala de jogo do bingo ainda não foi retirada à concessionária Pefaco S.A.

Devido à situação dos salários em atraso, os 62 trabalhadores do Bingo do Boavista suspenderam o contrato de trabalho em março de 2021 e estão a receber um “valor miserável equivalente ao subsídio de desemprego”.

As salas de jogo do bingo, bem como os casinos, reabriram a 01 de maio. Contudo, as salas do bingo concessionadas à Pefaco não abriram e continuam todas encerradas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.