Já existem produtos financeiros ligados àquela divisa muito volátil, mas nenhum fundo de índice ETF (sigla que corresponde a um fundo negociado em bolsa) tinha sido validado como respeitador da regulamentação europeia Ucits, detalhou a Melanion Capital à AFP. Esta regulação garante algumas proteções aos particulares que invistam no fundo.

O fundo ETF não vai estar ligado diretamente à bitcoin, mas vai procurar reproduzir o desempenho de um cabaz de sociedades envolvidas na bitcoin, que estão cotadas na América do Norte e Europa.

“É a primeira vez que se valida um veículo de investimento que permite uma exposição a um ativo que é muito volátil, mas que, não obstante, responde a todos os critérios de proteção dos investidores”, declarou à AFP Louis-Arnaud Nguyen, consultor especializado na tecnologia ‘blockchain’ (cadeia de blocos), da Azzana.

Na prática, os investidores vão continuar sujeitos às variações de valor da bitcoin, mais libertados de alguns riscos ligados à posse direta da cripto moeda, como a pirataria ou a perda.

Em troca, vão ter de pagar uma comissão de gestão.

“É um instrumento muito bom para os atores que desconhecem tudo sobre moedas digitais e bitcoin, mas que se desejam expor” ao investimento, resumiu Louis-Arnaud Nguyen.

O ETF da Melanion vai ser negociado “no início” na praça bolsista pan-europeia Euronext, que gere designadamente a bolsa parisiense.

Este novo fundo de índice vai apoiar-se num índice criado pela Melanion, o ‘Melanion Bitcoin Exposure Index’, reapreciado todos os trimestres, “na terceira sexta-feira de março, junho, setembro e dezembro, depois do fecho do mercado”, indicou a sociedade, em comunicado.

O bitcoin, como outras moedas digitais, viu o seu valor subir acentuadamente em 2020 e no início de 2021.

Este sucesso atraiu bancos, corretores e sociedades de investimento que procuram tornar a moeda acessível aos seus clientes.

Hoje, às 17.30 de Lisboa, o valor do bitcoin estava acima dos 44 mil dólares. O seu nível mais alto foi atingido em meados de abril, quando superou os 64 mil dólares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.