“Civis pacíficos foram detidos pelos ocupantes e enviados para locais de detenção. Há conhecimento de quatro destas prisões: duas em Olenivka, o centro de detenção de Donetsk e de Makiivka”, afirmaram as autoridades locais numa mensagem na rede social Telegram e divulgada pelas agências Ukrinform e Unian.

A mesma fonte referiu que os reclusos estão “em condições terríveis e inumanas, como num campo de concentração, presos em celas estreitas de dois por três metros com dez pessoas”.

De acordo com a Câmara de Mariupol, os detidos apenas recebem água e comida e não têm saídas ao exterior nem acesso a cuidados médicos.

“São submetidos a diversas formas de tortura, desde psicológica a física”, frisou.

O presidente da Câmara de Mariupol, Vadim Boychenko, fez um apelo à Cruz Vermelha e às Nações Unidas para prestarem atenção “às detenções ilegais de civis na cidade” e para usarem “todos os recursos possíveis para obter listas de prisioneiros”.

Na mesma comunicação, o autarca defendeu que estas organizações internacionais devem trabalhar para garantir que as condições dos reclusos sejam “dignificadas”.

“Temos de trabalhar juntos para a libertação de todos os residentes de Mariupol”, acrescentou.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro e a ofensiva militar já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.